Bulimia Nervosa (BN)



Na BN, a auto-avaliação também é excessivamente influenciada pela forma e peso do corpo. Porém a característica essencial da BN, que também é o que a diferencia da NA, é a presença da compulsão alimentar periódica e de métodos compensatórios inadequados para evitar o ganho de peso (ou seja, a pessoa come muito (muito mesmo) em um curto espaço de tempo e tenta compensar erroneamente no intuito de não engordar).

Algumas características da Bulimia Nervosa


  • Sentimento de falta de controle sobre o comportamento alimentar durante o episódio bulímico;



  • A técnica compensatória mais comum é a indução de vômito após um episódio de compulsão. Esse método purgativo é empregado por 80 a 90% dos pacientes com BN. Os efeitos dos vômitos incluem alívio do desconforto físico e diminuição do medo de ganhar peso.



  • Nem todas as pessoas com bulimia utilizam os vômitos como método compensatório. Muitos utilizam diuréticos, laxantes ou até mesmo excesso de atividade física.



  • Os métodos compensatórios não funcionam para perder peso e acabam aumentando (como um circulo vicioso) ainda mais a compulsão alimentar, visto que pacientes bulímicos, na sua grande maioria, apresentam peso normal ou sobrepeso, o que dificulta ainda mais seu diagnóstico (muitas pessoas bulímicas escondem por muitos anos seus hábitos).



  • Para qualificar o transtorno, a compulsão alimentar e os comportamentos compensatórios inadequados devem ocorrer, em média, pelo menos duas vezes por semana pelo período de 3 meses.

A bulimia pode ser do tipo Purgativo (presença de vômitos ou uso de laxantes, diuréticos e enemas) ou do tipo sem Purgação (jejuns ou exercícios físicos em excesso)

Algumas conseqüências da bulimia
anemia, batimentos cardíacos irregulares, pressão baixa, falência cardíaca, desidratação, desequilíbrio eletrolítico, constipação, diarréia, problemas hormonais, depressão, baixa auto-estima, bochechas inchadas, aumento do número de cáries dentais, erosão do esmalte dental, irritação do esôfago, ruptura do esôfago, hemorragia digestiva, ruptura do estomago, pele seca, unhas fracas, entre outros.

Tratamento dos Transtornos Alimentares

O tratamento é bastante difícil, mas hoje se sabe que os melhores resultados são alcançados através de equipes multidisciplinares (acompanhamento nutricional, clínico e psicoterápico). A adesão dos familiares se mostra extremamente importante, pois é uma doença que requer bastante cuidado, uma vez que no inicio a maioria dos pacientes não aceita o tratamento ou se quer aceita ter uma doença.
O tratamento nutricional tem duas fases: a fase experimental, onde o objetivo é alcançar uma dieta balanceada e suficiente para recuperar o peso e o estado nutricional debilitado pela doença e a fase educacional, que visa a melhora dos comportamentos alimentares e o abandono das crenças alimentares errôneas.

Na equipe de Transtornos Alimentares do HCPA o tratamento nutricional se resume a atendimento individual e grupos de educação nutricional.


A influência cultural tem sido apontada, atualmente, como uma forte fonte desencadeante; o corpo magro é visto hoje como símbolo de beleza, poder, autocontrole e modernidade. Desta forma, as propagandas de regimes convencem o público de que o corpo pode ser moldado de qualquer jeito, a qualquer custo.

Todos esses fatores podem contribuir com o aparecimento de TA’S, mas na prática sabemos que todo esse sofrimento vai muito além da questão estética...Hoje, acredita-se que as causas dos TA’S podem ser socioculturais, psicológicas, individuais e familiares, neuroquímicos e genéticos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário